Afinal, o que é Marketing de Guerrilha?

marketing de guerrilha

A definição de guerrilha, de acordo com o dicionário Aurélio, é: “luta armada travada por grupos constituídos irregularmente, e que não obedece às normas das convenções internacionais”. Quando utiliza essa palavra, você provavelmente deve associá-la à Guerra do Vietnã, a Che Guevara e Fidel Castro em Cuba, aos conflitos no Oriente Médio e por aí vai. Mas o que será que isso tem a ver com Administração?

A resposta foi oferecida pelo estudioso norte-americano Jay Conrad Levinson que, em 1984, conseguiu vislumbrar semelhanças entre as guerrilhas e as ações empresariais, criando o conceito de Marketing de Guerrilha. Segundo Levinson, trata-se de uma estratégia que busca “atingir as metas convencionais, tais como lucros e alegria, com métodos não convencionais, como investir energia em vez de dinheiro”. Com 30 anos de conceito, o termo sofreu mutações importantes, está mais aperfeiçoado e integra estratégias interessantes de algumas empresas e até de multinacionais.

E a utilização desse artifício pode mostrar, realmente, que criatividade, planejamento prévio, poucos recursos

e ousadia para surpreender podem transformar o simples em algo muito mais eficiente do que o complexo.

Várias maneiras de ir à guerra.

Existem diferentes formas de aplicar o Marketing de Guerrilha. Em 2011, o assunto foi tema central da Revista Administradores e destrinchamos na oportunidade o Be-a-bá da guerrilha com os seguintes elementos: Intervenção urbana, Free mídia, corpo a corpo, viral, marketing invisível. Abaixo, veja cada um deles com um exemplo.

Intervenção urbana:

Elementos de rua – como postes, faixas e calçadas – são as armas e também ajudam a compor o cenário da guerrilha.

CASES | Muitas empresas gostam de utilizar as paradas de ônibus em estratégias de ações de marketing de guerrilha. Claro, muitas pessoas passam em frente ou param nesses pontos, o que se torna uma ótima possibilidade para visualizar um produto ou uma mensagem. O Guaraná Antarctica resolveu colocar balizas de futebol para promover a Copa do Mundo e seu refrigerante. No anúncio do Fitness First, o banco funciona como uma balança e o peso é apresentado no quadro para que todos vejam. Já a Nivea colocou um refrigerador de ar escondido em um pacote enorme de pó Nycil, para imitar o efeito de frescor do produto sobre a pele.

Free mídia:

É a mídia espontânea. Ocorre quando a ação repercute a ponto de virar notícia em TV, revistas, rádios, blogs ou jornais.

CASE | A cerveja Bavaria tentou emboscar a Budweiser na Copa de 2006, patrocinadora oficial da competição. Distribuiu bermudas com sua logomarca aos torcedores do jogo entre Holanda e Costa do Marfim. Na entrada do estádio, o flagrante: a organização barrou a investida. Os torcedores não tiveram dúvida, tiraram as bermudas e assistiram à partida usando cueca. É claro que repercussão foi ainda maior.

Corpo a corpo: Quando atores e modelos abordam ou se aproximam do público, promovendo a interação com a marca.

CASE | Em uma surpreendente ação da agência alemã BBDO, a empresa transformou o simpático veículo Smart em uma das peças do clássico game Pong, do Atari. No entanto, o mais interessante mesmo foi o fato de que as pessoas que andavam na rua de Berlim entravam no carro e utilizavam o veículo como o próprio controle do game. A ação queria trazer uma experiência única aos clientes e conseguiu.

Viral: Quando vídeos engraçados e curiosos se espalham por sites e redes. A contaminação é rápida e pode repercutir durante dias ou semanas.

CASE | Como transmitir uma informação de forma efetiva com outras tantas milhares de mensagens que aparecem? A receita foi bem encontrada com o “Dumb Ways To Die”, uma campanha para promover a segurança em trens e metrôs na Austrália. De vez alertar para os quesitos de segurança, a ideia foi mostrar maneiras estúpidas de morrer na malha ferroviária. O alcance conquistado pelo vídeo nas mídias sociais superou qualquer expectativa. Só no Youtube foram mais de 55 milhões visualizações e diversas versões feitas por pessoas de todo o mundo, inclusive uma caprichada sobre o Rio de Janeiro (adm.to/dumb_rj). E a campanha conseguiu seu objetivo: contribuiu para uma redução de mais de 30% em acidentes. A responsável pela campanha foi a agência McCann Melbourne.

Marketing invisível: A empresa se esconde por trás de uma pessoa contratada para opinar positivamente sobre produtos ou serviços. O público não percebe que é publicidade e, quando percebe, esse tipo de ação é criticada.

CASE | Em 2002, a Sony-Ericsson contratou falsos casais e os mandou a pontos turísticos para promover o celular com câmera T68i. O objetivo foi chegar a um público selecionado sem revelar necessariamente que se tratava de uma propaganda.

Fábio Bandeira de Mello

Para ficar sempre atualizado, acompanhe nossas postagens do blog clicando aqui.

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *